Dentição dos bebês: Conheça os sintomas e cuidados necessários

Dentição dos bebês: Conheça os sintomas e cuidados necessários

Os primeiros meses de vida de uma criança são cheios de transformações essenciais para o seu desenvolvimento. Durante esse período, a formação da dentição dos bebês é um dos processos mais marcantes e que pode impactar toda a vida do indivíduo.

Esse momento, em conjunto com os hábitos de cada bebê, é fundamental para evitar a aparição de problemas odontológicos que, no futuro, podem causar a má oclusão – condição em que existe o encaixe inadequado da mordida e exige a correção por uso do aparelho ortodôntico.

Desde a amamentação natural até o uso de chupetas e mamadeira, todos esses fatores alteram o desenvolvimento da ossada e da musculatura craniofacial, o que pode causar problemas estéticos e até funcionais na dentição das crianças, o que também pode variar conforme os hábitos/necessidades de cada filho, mesmo quando gêmeos.

Leia também:

O surgimento dos primeiros dentes

Os primeiros dentes, também conhecidos como dentes decíduos, aparecem em torno dos seis meses de idade, sendo que o ciclo se completará apenas quando os bebês tiverem, em torno de, três anos.

Mas cada criança tem o seu tempo e o desenvolvimento dentário pode demorar mais em um organismo, do que em outro. Inclusive, os dentes podem se adiantar, surgindo aos três meses ou começar a apontar apenas após um ano de idade.

Normalmente, os incisivos inferiores são os primeiros a surgir, seguidos dos superiores e depois os dentes laterais. Os últimos dentes nascem em torno dos 20 ou 30 meses, e são os molares. 

Ainda que o tempo varie para cada criança, mesmo aquelas que são gêmeas, a ordem de nascimento costuma ser a mesma.

Conheça alguns dos sintomas

Essa é uma fase difícil para os bebês. Eles sentem muita dor e as gengivas ficam sensíveis e inchadas, por isso, é comum que haja mais irritabilidade e agressividade cerca de uma semana antes do dente aparecer.

Os principais sintomas são:

  • Excesso de baba;
  • Dor e irritabilidade;
  • Febre baixa;
  • Gengivas vermelhas e irritadas no local;
  • Dificuldade na alimentação ou para dormir;
  • Mastigar as coisas com maior frequência.

Contudo, ao mesmo tempo em que alguns bebês podem não apresentar nenhum sintoma, outros organismos podem apresentá-los muito severamente.

Nesse caso é importante levar a criança para um check-up com o pediatra e, mesmo no caso de gêmeos, um pode se mostrar mais irritadiço que o outro.

Cuidados essenciais para a saúde bucal dos bebês

Alguns cuidados são essenciais, principalmente para que a saúde bucal dos pequenos esteja sempre em ordem. Pensando nisso, listamos alguns pontos que não podem ser deixados de lado. 

Escovação com os materiais adequados

Muitas pessoas têm optado por utilizar tratamentos cosméticos, como a lente de contato dental, para corrigir a separação inadequada entre os dentes. No entanto, esse tipo de falha na formação dentária pode ser evitada ainda na infância.

O primeiro grupo dental serve, entre outras coisas, para marcar o espaço onde cada um dos dentes fixos deverá se encaixar no futuro. 

Perder os dentes de leite antes do tempo certo, faz com que os dentes permanentes nasçam com o espaçamento inadequado ou apinhados.

Desta forma, realizar a higienização bucal com os materiais adequados, indicado pelo dentista pediatra, ajuda a evitar a formação de cáries e inflamações gengivais que podem causar a perda antecipada dos dentes decíduos.

Limpeza das gengivas

No entanto, os cuidados com a limpeza da boca devem começar desde antes dos primeiros dentes. É necessário começar a remoção dos resquícios de leite, com a ajuda de um pano ou uma gaze úmida, após o bebê completar o quarto mês de idade.

Assim, após cada mamada passe delicadamente o pano úmido nas gengivas, bochechas, língua e céu da boca, para evitar o acúmulo de bactérias bucais e impedir o surgimento de doenças e manchas, o que pode obrigar um clareamento dental no futuro.

Os paninhos são, também, uma boa forma de minimizar o desconforto do nascimento dos primeiros dentes. Molhe-o em água fria e dê para o bebê morder, isso ajuda na diminuição das dores.

A importância da amamentação natural

A amamentação natural é essencial para a formação do bebê. Desde a fortificação do sistema imunológico até o desenvolvimento adequado da arcada dentária. 

Por meio do exercício muscular, exigido pela amamentação natural, o bebe aprende a respirar pelo nariz e isso ajuda a evitar problemas relacionados ao encaixe dos dentes.

O movimento de sucção auxilia na correção do posicionamento da língua, adequando-a para que se acostume no local certo e evitando a má oclusão. 

Inclusive, o tratamento ortodôntico, realizado com o uso do aparelho de dente, é utilizado para consertar essas falhas, sendo que pode durar anos.  

Além disso, o aleitamento materno oferece os nutrientes necessários para a fortificação dos ossos do corpo inteiro e para a garantia de dentes mais fortes e resistentes a doenças, que podem vir a comprometer a integridade deles.

Importante dizer, ainda, que essa fortificação óssea é essencial para a aplicação do implante dentário, caso seja necessário no futuro, devido a algum acidente ou complicações com cáries e periodontites. 

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe do blog Qualivida Online, site no qual é possível encontrar diversas informações e conteúdos sobre os cuidados com a saúde física e mental.

Créditos da imagem em destaque: Freepik

Deixe seu comentário

Tags: